YANOMAMI Cármen Lúcia: ‘Parece que a civilização tem significado apenas para um grupo de homens’

YANOMAMI Cármen Lúcia: ‘Parece que a civilização tem significado apenas para um grupo de homens’

Ministra do STF pediu providências sobre a denúncia de que garota yanomami foi estuprada e morta por garimpeiros

Na abertura da sessão do Supremo Tribunal Federal (STF), desta quinta-feira (28/4), a ministra Cármen Lúcia pediu a palavra para expressar a preocupação diante da  denúncia do estupro e morte de uma adolescente, de 12 anos, por garimpeiros na comunidade Aracaçá, na região Waiakás, na Terra Yanomami, em Roraima. O caso foi relatado por Júnior Hekurari Yanomami, liderança indígena, em um vídeo nas redes sociais na segunda-feira (25/4).

 

No vídeo em que traz a denúncia, Hekurari conta que recebeu informações de que garimpeiros invadiram a comunidade. “Os garimpeiros violentaram, estupraram ela e ocasionou o óbito. O corpo da adolescente está na comunidade. Também me informaram que uma criança e uma mulher foram levadas, a criança está desaparecida no rio”, relatou.

A ministra do STF pediu providências imediatas de autoridades, como o Ministério Público, para a apuração da denúncia. A magistrada ressaltou que a violência e a barbárie contra indígenas ocorrem há 500 anos no Brasil, com maior ênfase com mulheres, e às mulheres indígenas. “Parece que a civilização tem um significado apenas para um grupo de homens. O Poder Judiciário atua sobre provocação. O cidadão atua pela dor. Essa perversidade não pode permanecer como estatísticas, fatos da vida, notícias”, disse.

Cármen Lúcia também lembrou que o Supremo está votando, desde o início do mês, questões ambientais, e relacionadas, em especial, à Amazônia brasileira. “Os crimes que tratamos [refere-se à Pauta Verde] têm relação com os crimes contra indígenas. Precisa ficar esclarecido que o direito à vida está sendo rigorosamente descumprido e ignorado pelas instituições. Não se faça silêncio em relação às mortes das mulheres indígenas”, completou.

Em resposta à provocação de Cármen Lúcia, a vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, afirmou que o Ministério Público Federal está investigando a denúncia e que tem feito um trabalho na região para a proteção aos povos indígenas.

O ministro Luiz Fux também assegurou que se o caso chegar ao STF será tratado com prioridade e lembrou que a questão está sendo analisada pelos observatórios do Meio Ambiente e dos Direitos Humanos, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Fonte: Jota

FLÁVIA MAIA – Repórter em Brasília. Cobre Judiciário, em especial o Supremo Tribunal Federal (STF). Foi repórter do jornal Correio Braziliense e assessora de comunicação da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Faz graduação em Direito no IDP. Email: flavia.maia@jota.info

Comentários
Comments are closed
Translate »