Governo Bolsonaro quer criminalizar ONGs: brigadistas falam em armadilha; um dos presos estava em SP na época dos incêndios

Governo Bolsonaro quer criminalizar ONGs: brigadistas falam em armadilha; um dos presos estava em SP na época dos incêndios

O gestor de turismo Guilherme Fernandes, de 32 anos, irmão do brigadista Gustavo Fernandes, um dos presos na operação da Polícia Civil contra organizações não governamentais (ONGs) que atuam no Pará, afirmou que o seu parente não estava no estado quando ocorreram os incêndios. Os brigadistas são acusados de provocarem as queimadas. Cerca de 180 entidades ambientalistas e de direitos humanos se manifestaram contra a prisão dos brigadistas.

“Ele estava em um casamento no interior de São Paulo, tem passagem aérea e reserva de hotel confirmando isso, mas nada foi levado em conta. Já passamos tudo para o advogado dele, mas parece que havia predisposição para incriminar meu irmão e os outros brigadistas”, disse Guilherme Fernandes. A situação é “surreal, um pesadelo”, acrescentou. Seus relatos foram publicados no jornal O Estado de S.Paulo.

Ele conta quem desde 2015, o irmão tem um projeto de turismo em Alter do Chão (PA), que depende da biodiversidade e das belezas naturais do lugar para se sustentar. “Por que ele iria destruir o que é seu sustento? A verdade é que ele foi apagar o fogo como voluntário, usando chinelo havaiana”, complementa.

Veja agora o vídeo com fala de outro irmão de Gustavo:

Fonte Brasil 247

Comentários
Comments are closed
Translate »