Festival de Música: Instituto Rondon tem projeto para melhorar a música brasileira

Festival de Música: Instituto Rondon tem projeto para melhorar a música brasileira

Música de qualidade. Doses cavalares de música de qualidade na veia da juventude brasileira. De Norte a Sul, o brasileiro precisa de uma overdose de boa música. Chega de música ruim sendo vendida como cultura. Nos últimos 20 anos o Brasil foi tomado por um tsunami de músicas de péssima qualidade. “A música brasileira tá uma merda”, diz Milton Nascimento. “As letras, então. Meu Deus do céu. Uma porcaria”, emenda o cantor e compositor de 76 anos de idade.  “Não sei se o pessoal ficou mais burro, se não tem vontade [de cantar] sobre amizade ou algo que seja. Só sabem falar de bebida e a namorada que traiu. Ou do namorado que traiu. Sempre traição.”  Milton está mais certo do que nunca. Bebidas, drogas, sexo. Esse é o resumo da nossa música atual. O jovem não tem para onde correr.

Nesse sentido, o Instituto Rondon presidido pelo jornalista Roberto Kuppê lança uma ideia de festival.  Um projeto musical que envolveria toda a juventude brasileira, de Norte a Sul.  O projeto de nome  “Festival de Música Chico Buarque do Brasil”, ou FMCBB, poderia ser uma mudança nos rumos de nossa cultura que está deturpada. O primeiro FMCBB seria com com composições exclusivas interpretadas por Chico Buarque.

Por que Chico Buarque (*)?

Porque simplesmente o Brasil tem o maior e o melhor de todos os compositores vivos que se chama Chico Buarque. Dono de uma coleção de músicas nunca vista, um verdadeiro tesouro. E não é só na música que Chico é sucesso. Na literatura também. Seria mais do que uma homenagem ao cantor, compositor  e escritor, que ganhou recentemente o Prêmio Camões de Literatura, prêmio esse que será entregue a ele em abril, em Lisboa, Portugal.  O governo português anunciou que a entrega do prêmio acontecerá no dia 25 de abril de 2020, em Lisboa. O Prémio Camões ou Prêmio Camões, instituído pelos governos do Brasil e de Portugal em 1988, é atribuído àqueles autores que contribuíram para o enriquecimento do patrimônio literário e cultural da língua portuguesa. Poxa, não é pouca coisa! Nada mais justo do que homenagear esse grande brasileiro.

Como será o festival?

O FMCBB será de âmbito nacional podendo participar até cantores portugueses. Através de um aplicativo de celular (app), serão inscritos candidatos de todo o Brasil e países de língua portuguesa.  Através deste aplicativo serão selecionados mil participantes, dentre os que enviarem um vídeo interpretando uma das músicas de Chico Buarque. Feito isso, uma rede de TV (Globo, de preferência), fará a seleção de 300 participantes do festival que será desenvolvido em um, dois ou três meses.  O prêmio para o melhor intérprete seria de R$ 1 milhão de reais entregues pelo próprio Chico Buarque. Os segundo, terceiro, quarto e quinto lugares, receberiam de R$ 500 mil a R$ 100 mil cada, respectivamente.

Para ajudar as comunidades mais pobres como Paraisópolis (SP), Rocinha (RJ) dentre outras, serão distribuídos cerca de 10 mil violões com cifras musicais de Chico Buarque.

Esse festival será realizado em 2020, podendo repetir de dois em dois anos, homenageando Milton Nascimento, Caetano Veloso, Roberto Carlos, Zeca Pagodinho, Osvaldo Montenegro, sempre intérpretes vivos e atuantes na música brasileira.

O projeto do festival está sendo configurado. Os interessados devem entrar em contato através do email do Instituto Rondon: contato@institutorondon.com.br ou pela zap: 061-98254-1644. 

 

 

(*) Obs: Chico Buarque não está ciente desse projeto. Ainda será comunicado oficialmente caso o projeto vá adiante.

 

Comentários
Comments are closed
Translate »